Delirium


Os dias não passavam, e eu apesar de ainda confusa e desgastada com todos últimos acontecimentos das semanas anteriores , sentia um ânimo chegando de mansinho
E me preparava para curtir, após três longas, cansativas e mal dormidas semanas
Agora, já tudo tranquilizado, eu pronta para curtir, rever meus amigos e dançar muitooooo
Além de sentir o SM junto das pessoas mais amigas, e de forma livre e mágica.
Do jeito que eu gosto, na guia do Dono e entre amigos, curtindo integralmente
O tema era Delirium, o delírio, os fetiches, taras, a loucura, a insanidade do prazer, apenas por prazer (e por mais louco que seja)
A festa prometia, direto da Argentina, "La Negra", diziam que é a versão embucetada do Heitor
E apenas depois de conhecer, concluí que era mesmo
Iria fazer uma suspensão com ganchos, algo inédito na festa, até então
O Dono e ela, conversaram por um tempo, para ver tudo que precisaria, ela traria o material dos furos, e o frame, e a parte da corda e dos eixos, o Dono arrumaria
A performance de La Negra, T Angel e Heitor, seria apenas no final, para algumas pessoas apenas
Era aniversário da Nefer e da patinha do Sr Nawashi, patinha chegou bem a caráter, camisa de força, ball gag e máscara na boca (devia estar babando bastante...rs)
Eu, com a coleira que um amigo artesão fez, um artista chamado Paulo, coleira postural, toda cravejada de rebites e deixando meu colo maravilhoso
Domme Hanna, maravilhosa em um modelito enfermeira sado, com detalhes roxo e com muito sadismo a destilar
Le fetiche bem putinha safada, com uma cinta com correntes, tipo escravinha do prazer (amo os modelitos dele, deixam as Dommes doidas para judiar e maltratar)
Dília, com um novo visual, agora Domme Selena (mais continua bunda de ferro...rs)
Misty, divina em um modelito by Lili (que tbm fez falta), com parte do busto transparente, um arraso e adornos de couro (mais fetiche impossível)


Diamont, um luxo, com uma linda mascara de renda, algo como um excitante voyeur luxurioso
Nefer, insana e lasciva, com uma meia de cada cor, sainha curta e animando a todos como deliciosamente sempre




Fox, como uma jovem anita, colegial erótica, (não cheguei a ver se tinha algo por baixo da saia, mais que aguçou a curiosidade de muitos, eu tenho quase certeza), rostinho inocente, roupinha de anita, lolita, uma Domme provocante
Patty, sem comentários, cada vez mas "gatinha", num modelito pretinho básico, contrastando com uma linda sandália de couro cravejada de cristais, e pés bem feitinhos com lindas e purpuras unhas

Domme Sam, como sempre arrasando
Sem falar João Tripé, Tin@ (enfermeirinha cuidadosa),Nitia, todos sempre impecáveis
E as cenas rolando, velas, agulhas, cordas spanking, tortura masculina, ah se as barras de ferro do Audio falassem...rs
Na pista um som delicioso, e eu, com carinho do Dono, voei e deliciosamente curti mais um momento de extase e sensações

Patty, após 13 anos com desejo de ser suspensa, provou, adorou as marquinhas e a sensação
Apesar de ter ocorrido um problema com o gancho (alguma falha na manutenção), ela viciou
E ficou "gozando" com as marquinhas por dias e dias (sei pq eu tbm sou assim)
E entendeu e sentiu prazer em estar ali como obra de arte, em uma bela, estética e técnica amarração
Eu querendo mais...rs...rs




Dancei um pouco, cantei parabéns junto dos amigos
O bolo do João, hummmmm um tudo, com chocolate belga e tudo, para uma chocólatra como eu, foi perfeito
João tripé já pode casar (melhor nem dar idéia que vai formar fila......)


Com direito a flores de pastilhagem, lindas
Sr Nawashi tbm presenteou os presentes na festa com uma linda amarração na patinha, valorizando um pouco mais os seios que ela já tem...rs

E a festa continuava a rolar, e eu louca para dar uma girada e sentir novamente as cordas na minha pele
Aquele clima todo me excitava e muito, nossa, estava ansiosa e morrendo de vontade, pedi com carinho ao Dono
Fiquei maravilhosa, como uma escultura mesmo, uma obra de arte e fora o prazer, o toque durante meu voo, a mão quente e firme, forte do Dono em mim e para mim
Nada mais gostoso que isso, o beijo molhado de tesão, com tesão e a respiração que ficava ofegante, queria mais, mais o balançar das cordas faziam meu rosto fugir do Dele
Foi como sempre em Suas mãos, PERFEITO

E muitas cenas diferentes, em um clima super agradável e de entrosamento,troca, foi delirante
O tema deu certinho para tudo que ocorreu na festa
Maldade das Dommes e prazer dos submissos e dos tapetinhos que se deliciaram com os pés das mulheres, sejam submissas, switchers ou Dommes

O visual despojado, moderno e provocante presente na festa, exibicionismo puro, belo e delicioso



João, o mais devasso e insano rapaz que já conheci, provoca e cria, imagina e produz.Vive, com intensidade com força, com alma
Um exemplo de se viver o hoje, curtir o prazer e ser feliz, da sua própria maneira


La Negra, personagem importente que nos propiciou momentos inesquecíveis e fortes
Aqui, ela sentada em um escravinho, na ala de fumantes, do Lux

E o grande final da festa, a hora da suspensão por ganchos na pele
Subiram para um lugar reservado, Dono, Thiago, Negra e eu (vai que o Dono precisa de ajuda, né?)
Era a colocação dos ganchos subcutâneos, que seriam necessários para suspensão
Eu ali, olhando tudo, fraca do jeito que sou para certas visões, já estava me vendo ali com a pressão baixando
Mais não ocorreu, estava atenta a tudo aquilo novo ao meu redor, Negra colocava a agulha (um tipo que olhando de um lado, se via o outro lado), e a partir desta colocava o gancho
Puxava um pedaço da pele (como se fosse mostrar a dobrinha da barriga), mais metia a agulha e passava o gancho
A cada entrada da agulha, eu me arrepiava, não sei se por gostar de agulhas, e aquelas serem "anormais", para mim, ou se pelo clima e pela esfera concentrada que estava no ar
O Dono olhava para mim com uma cara de sadismo, que me molhava as entranhas
Que vontade de sentir aquela mão pesada, de ser arrastada na frente de todos pelos cabelos, ser subjugada, e ficar inteirinha vermelha, com vergões e sangue pisado, e com a marca da sola do Seu sapato nas minhas costas
(Fantasias à parte, voltamos de onde parei)
O Dono me olhava, acho que pensando que eu ia desmaiar mesmo, Ele sabe que sou meio fraca para sangue
E ver a cara do Heitor, ali sendo fuzilado por agulhas, ganchos, mãos, e sadismo, acabou me deixando meio em transe
Acho que eu ali era a única que percebia e analisava cada expressão do Heitor em cada momento, seja na pegada da carne, seja na enfiada, seja na ajeitadinha do gancho
E se comentando que houve vezes que rasgou, que isso e aquilo, não sei se faziam terror em mim, ou se era um descontraído bate papo
Foi muito divertido no final, algo novo, amo, coisas diferentes, sejam elas rapidas,longas, tudo que é novo, me faz pensar em outras e mais novas coisas e novas possibilidades
Me faz pensar em mim, como ser integrante de uma esfera, cercada de diferenças e cercada de semelhanças
Não sei explicar o motivo de me sentir tão à vontade ali
Uma ex tímida, ex complexada consigo mesmo, e hoje a mulher que desejava ser, descoberta, deliciosamente livre, sendo de um homem, um Dom, que me permite viver meu prazer, Nosso prazer
E ali, juntos, descobrimos e afirmamos mais ainda a afinidade de nossa relação
Eu sub, Ele Dom, Dono, Proprietário
E sem regras, a não ser as Dele para comigo e fora isso, livre para ser a mulher , a melhor para Ele
Foi no Luxúria que aprendi a respeitar as diferenças, a entender que meu fetiche e meu prazer pode sim dar prazer aos outros e o fetiche do outro, pode sim, me interessar e me dar prazer
Apenas é preciso se dar a chance de entender e se deixar levar pelo clima
Hoje uma submissa, escrava, exibicionista, que ama estar sempre maravilhosa, ao lado do Homem que me escolheu como companheira e como escrava
Lá entendi, o que faz bem às pessoas, e o que faz bem a mim, e o motivo dessa sensação boa, que pelo que converso, não é só minha não
Não julgar, sub pode brincar de dar uns tapas em outra, Dom iniciante, pode errar na forma de pegar em um flogger, podo pode ser pisado por sub (a tara ali é o pé e não a posição)
E assim vai............quando você se preocupa com seu proprio prazer, acaba essa picuinha, julgamento e apontamento
E acaba se divertindo, e brincando, de rígida ja basta à vida, e a sociedade (cheia de valores, e no final, cada um tem o seu valor próprio)
Desabafos à parte (saindo muito do foco hoje...rsrsrsr)
Descemos para a entrada do Audio, uma meia luz, deixava um clima aconchegante e misterioso
Thiago e Heitor, com tecidos transparentes, como se fosse um voil, Thiago em azul e Heitor de branco
E Negra arrumava tudo, o Dono passou gentilmente as cordas pelo frame e pelo teto, e começava ali um ritual, diferente, excitante e meio místico
Do chão, começou a subir, levitar, e nisso a pele se moldava aquela pressão, aqueles ganchos, e começava os pés a sair do chão
Como uma levitação mesmo, como um voar diferente
Ninguém piscava, todos ali extasiados com aquele lindo presente aos frequentadores da festa
Ao descer, descanso? Não ele queria mais (parecia eu com as cordas...hehehe)
E foi pelas costas, da mesma forma, voando, e dançando suspenso pelas pelancas corporais





Foi muito bonito
E depois morrendo de fome, demos um pit stop para comer
E foi outra diversão
O pós é ainda melhor, risos até dizer chega
E nesse final de semana ainda teve mais
Uma visita que margoth e o Sr MFD tiveram em casa
E o Luxúria na "A Loca"

MFD_[margoth]

Um comentário:

L ü G o R disse...

Este seu blog é fantástico. Não há como vir aqui e não se tornar um seguidor. Parabéns e até a próxima.